e-περιοδικό της Ενορίας Μπανάτου εν Ζακύνθω. Ιδιοκτήτης: Πρωτοπρεσβύτερος του Οικουμενικού Θρόνου Παναγιώτης Καποδίστριας (pakapodistrias@gmail.com), υπεύθυνος Γραφείου Τύπου Ι. Μητροπόλεως Ζακύνθου. Οι δημοσιογράφοι δύνανται να αντλούν στοιχεία, αφορώντα σε εκκλησιαστικά δρώμενα της Ζακύνθου, με αναφορά του συνδέσμου των αναδημοσιευόμενων. Η πνευματική ιδιοκτησία προστατεύεται από τον νόμο 2121/1993 και την Διεθνή Σύμβαση της Βέρνης, κυρωμένη από τον νόμο 100/1975.

Τα νεότερα στα θεματικά ένθετα

Παρασκευή, 12 Μαρτίου 2021

Homilia Catequética para a Santa e Grande Quaresma 2021

 BARTOLOMEU, 

PELA MISERICÓRDIA DE DEUS ARCEBISPO DE CONSTANTINOPLA-NOVA ROMA E PATRIARCA ECUMÉNICO

A TODO O PLEROMA DA IGREJA:

A GRAÇA E A PAZ DE NOSSO SENHOR E SALVADOR JESUS CRISTO E, DE NOSSA PARTE, ORAÇÃO, BÊNÇÃO E PERDÃO A TODOS VÓS


Veneráveis Irmãos, filhos e filhas bem-amados no Senhor,


Com a complacência e a graça de Deus, o doador de todas as coisas boas, estamos entrando na Santa e Grande Quaresma, a arena das lutas ascéticas. A Igreja conhece os labirintos da alma humana e o fio de Ariadne, a saída de toda a estagnação espiritual – humildade, arrependimento, o poder da oração e dos ofícios sagrados, contrição, jejum que elimina as paixões, paciência, obediência à regra da piedade. E assim a Igreja nos convida mais uma vez este ano para uma jornada divinamente inspirada, cuja medida é a Cruz e cujo horizonte é a Ressurreição de Cristo.


A veneração da Cruz no meio da Santa e Grande Quaresma revela o significado de todo esse período. A palavra de nosso Senhor ressoa fortemente: «Se alguém quer vir após mim, renuncie-se a si mesmo, tome a sua cruz cada dia, e siga-me» (Lc 9:23). Somos chamados a carregar nossa própria cruz, seguindo o Senhor e contemplando Sua vivificante Cruz, com a consciência de que o Senhor é o único que salva, não o carregarmos nossa cruz. A Cruz do Senhor é «o julgamento de nossos critérios», «o julgamento do mundo», e ao mesmo tempo a promessa de que o mal, em todas as suas formas, não tem a última palavra na história. Olhando para Cristo e sob Sua proteção, como aquele que permite nossa luta, enquanto abençoa e fortalece nosso esforço, lutamos a boa luta, atribulados por todos os lados, mas não esmagados; postos em extrema dificuldade, mas vencidos pelos impasses; perseguidos, mas não abandonados; prostrados por terra, mas não aniquilados» (2Cor 4:8-9). Esta é a quintessência da experiência também durante o período atual da Cruz e da Ressurreição. Estamos em uma jornada para a Ressurreição através da Cruz, através da qual «a alegria chegou ao mundo inteiro».


Alguns de vocês podem se perguntar por que a Igreja, no meio da pandemia atual, aumentaria às restrições de saúde já existentes mais uma «quarentena», ou seja, a Grande Quaresma. De fato, a Grande Quaresma também é uma «quarentena», um período que dura quarenta dias. No entanto, a Igreja não pretende nos enfraquecer ainda mais com obrigações e proibições adicionais. Pelo contrário, nos chama a dar sentido à quarentena que estamos vivendo como resultado do coronavírus, através da Grande Quaresma, como libertação da escravidão às «coisas do nosso mundo».


A leitura do Evangelho de hoje estabelece as condições desta libertação. A primeira condição é o jejum, não no sentido de abster-se apenas de alimentos específicos, mas também daqueles hábitos que nos mantêm ligados ao mundo. Tal abstinência não compreende uma expressão de desprezo pelo mundo, mas uma pré-condição necessária para reorientar nossa relação com o mundo e para experimentar a alegria única de descobrir o mundo como o domínio da testemunha cristã. É por isso que, mesmo nesta fase de jejum, a abordagem e a experiência da vida dos fiéis têm uma dimensão pascal, o sabor da Ressurreição. A «atmosfera da Quaresma» não é deprimente, mas alegre. É a «grande alegria» que foi proclamada pelo anjo como uma boa notícia «a todas as pessoas» no nascimento do Salvador (Lc 2:10). Esta é a inabalável «plenitude da alegria» (1Jo 1:4) da vida em Cristo. Cristo está sempre presente em nossa vida – Ele está mais perto de nós do que nós mesmos – todos os dias de nossa vida, «até o fim dos séculos» (Mt 28:20). A vida da Igreja é um testemunho inabalável da graça que veio e da esperança do Reino, da plenitude da revelação do mistério da Economia Divina.


A fé é a resposta à amorosa condescendência de Deus para conosco; é o «Sim» de toda a nossa existência para Ele, que «inclinou os céus e desceu» para redimir a raça humana «da escravidão do inimigo» e para abrir para nós o caminho para a deificação através da graça. O amor sacrificial pelo próximo e o «cuidado» por toda a criação nascem e são alimentados por esse dom da graça. Se esse amor caridoso pelos outros e a preocupação divina pela criação estão ausentes, então meu próximo se torna «meu inferno» e a criação é abandonada para forças irracionais, que a transformam em um objeto de exploração e em um ambiente hostil para a humanidade.


A segunda condição da libertação prometida pela Grande Quaresma é o perdão. O esquecimento da misericórdia divina e da inefável beneficência de Deus, a violação do mandamento do Senhor de que devemos nos tornar «sal da terra» e «luz do mundo» (Mt 5:13-14), e uma falsa transformação do modo de vida cristão, são atitudes que nos levam a uma «espiritualidade fechada» que só prospera na negação e rejeição do «outro» e do mundo, acaba com o amor, o perdão e a aceitação do diferente. No entanto, essa atitude estéril e arrogante da vida é enfaticamente denunciada pela palavra do Evangelho nos três primeiros domingos do Triódion.


Sabe-se que tais extremos prevalecem especialmente durante períodos em que a Igreja convida seus fiéis à disciplina espiritual e à vigilância. No entanto, a autêntica vida espiritual é um caminho de renovação interior, um êxodo de nós mesmos, um movimento amoroso em direção ao próximo. Não se baseia em síndromes de pureza e exclusão, mas no perdão e discernimento, doxologia e ação de graças, de acordo com a sabedoria experiencial da tradição ascética: «Não é comida, mas a gula que é ruim... não é o falar, mas a vã loquacidade... não é o mundo, mas as paixões».


Com esta atitude e sentimentos, amados irmãos e filhos, unimos nossas orações às vossas, para que possamos superar finalmente a mortal pandemia e responder rapidamente às suas consequências sociais e econômicas. Pedimos também vossas orações pela reabertura da Sacra Escola Teológica de Halki, após tão longo período de silêncio que lhe foi imposto de fora e de forma totalmente injusta, ao acolher a Santa e Grande Quaresma na Igreja, cantando e louvando juntos «Deus está conosco», a quem pertence a glória e o poder pelos séculos sem fim. Amém!


Santa e Grande Quaresma de 2021


 Bartolomeu de Constantinopla

Fervoroso suplicante diante de Deus por todos vós.


Δεν υπάρχουν σχόλια: